Header Ads

  • Concurso e Empregos

    Bruna Marquezine terá relação insegura com José Fidalgo em novela:'Pode matá-lo'

    Bruna Marquezine terá relação insegura com José Fidalgo em novela: 'Pode matá-lo'

    Prestes a dar vida à Catarina na novela "Deus Salve o Rei", Bruna Marquezine entregou mais detalhes de sua personagem e adiantou que sua relação com Constantino, papel de José Fidalgo, será contraditória, marcada por muita desconfiança um do outro."É um relacionamento construído na insegurança. É um casal que se gosta, mas tem ao mesmo tempo muita desconfiança um do outro. Ela se entrega a esse homem, mas a qualquer momento pode trair ou mandar matá-lo. E ela sabe que ele tem o mesmo posicionamento em relação a ela", disse a atriz ao colunista Daniel Castro, do "Notícias da TV".


    PUBLICIDADE




    PROMETIDA PARA DUQUE, CATARINA SERÁ AMANTE DE CONSTANTINO

    No próximo folhetim das 19h, da TV Globo, prevista para estrear no início de janeiro, a artista será uma princesa do reino de Artena e filha do rei Augusto, papel de Marco Nanini. Na história, ela é prometida para se casar com o marquês de Codorna, Istvan, interpretado por Vinícius Calderoni. Na história, Marquezine se apaixonará por Constantino, duque de Vicenza.



    'ELA NÃO QUER CASAR', GARANTE BRUNA MARQUEZINE SOBRE PERSONAGEM

    5 kg mais magra para interpretar uma vilã, a personagem será ainda uma jovem sedutora, ambiciosa e manipuladora, mas que se sente incompreendida, podendo ser quem ela é de verdade ao lado do amante. 

    PUBLICIDADE




    "Ela não quer se casar. A Catarina é fria e calculista, mas o que tem de interessante no relacionamento dela com o Constantino é que não é uma paixão óbvia. Eles compartilham os mesmos desejos e objetivos. E se unem não só porque existe uma atração enorme, mas também porque são pessoas que querem caminhar para o mesmo lugar", explicou a atriz, que exaltou parceira com o português: "Poucas vezes cruzei com atores tão sinceros. Ele é excelente e falei que acho que não vão deixá-lo voltar para Portugal".

    (Por Rahabe Barros)



    [email protected]