Um caso bárbaro foi julgado em Warkwick, Reino Unido. Um pai foi condenado a 21 anos de prisão após estuprar a filha por três vezes. Segundo a jovem, que se assumiu homossexual, disse que o pai a obrigava a ter relações com ele para mostrar que “ter relações com machos era bem melhor e que mulher foi feita para homem”. Na época do crime, ela tinha 16 anos.


O juiz do caso foi incisivo com o autor do crime. “Quando ela se assumiu gay e te contou, você reagiu mostrando uma raiva real e incontrolável e decidiu estuprá-la para mostrar que ela teria relações melhor com um homem do que com uma mulher. O estupro envolve degradação e humilhação. O ato demonstra sua hostilidade por ela ser lésbisca”, disse Andrew Lockhart, segundo o The Sun.

Além dos 21 anos de prisão, o homem será registrado como “abusador sexual”. “As vítimas nesse caso horrível mostraram uma incrível coragem para falar e assegurar que o abusador seria levado à Justiça. Esse caso mostra que os sobreviventes de abusos devem ser ouvidos, não importa há quanto tempo ocorreu”, concluiu o juiz. O estupro da jovem ocorreu no fim dos anos 1990.



- Portal Metropoles.

Postar um comentário :