Header Ads

  • Concurso e Empregos

    Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão em Campo Formoso e Jaguarari




    Duas cidades baianas foram alvo da Operação Timóteo, deflagrada na manhã desta sexta-feira (16), pela Polícia Federal. Os agentes realizaram mandado de busca e apreensão em Campo Formoso e Jaguarari. A PF investiga um esquema de corrupção na cobranças de royalties da exploração mineral. Além das cidades baianas, foram realizadas conduções coercitivas e buscas e apreensões em outros dez estados e no Distrito Federal.

    Ao todo, 300 policiais estão participando da operação na Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins. 

    A operação, batizada de Timóteo, tem como objetivo investigar um esquema de corrupção que no repasse dos royalties da exploração mineral, que representam 65% da chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) e tem como destino os municípios.

    Segundo a Polícia Federal, as provas recolhidas pelas equipes policiais devem detalhar como funcionava um esquema em que um diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral, detentor de informações privilegiadas a respeito de dívidas de royalties, oferecia os serviços de dois escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria a municípios com créditos de CFEM junto a empresas de exploração mineral.

    Por causa disso, o juiz do caso determinou ainda que os municípios se abstenham de realizar quaisquer atos de contratação ou pagamento aos três escritórios de advocacia e consultoria sob investigação. 


    Entre os investigados está o pastor Silas Malafaia. Ele é suspeito de usar contas da igreja para esconder a origem do dinheiro ilícito. Em suas redes sociais, Malafaia afirmou que recebeu o dinheiro de um fiel, mas não sabe a origem do valor.


    "É a tentativa para me desmoralizar na opinião pública. Não poderia ter sido convidado para depor. Recebi um cheque de um advogado como recebo inúmeras ofertas e as declaro no IR. Sou responsável pela bandidagem de outros? Estou indignado. Será que a Justiça não tem bom senso para saber que eu recebi o cheque de uma pessoa? E isso me torna participante do crime? Estou indignado", afirmou Malafaia.

    *Correio24Horas