O VER-SUS, Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde, é um dispositivo de aprendizagem para estudantes universitários e militantes de movimentos sociais, que visa a formaçãode futuros profissionais político e eticamente engajados na defesa do SUS. O projeto VER-SUS no Valeestá em sua 4º Edição e esse ano traz como tema a Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas.

Em seu sexto dia de atividades, o VER-SUS no Vale vivenciou o eixo temático “Saúde da População Negra”, para isso os participantes/viventes foram conhecer de perto a realidade de Tijuaçu, distrito da cidade de Senhor do Bonfim – BA. O cenário foi escolhido por ser um território remanescente quilombolaque abriga a Unidade de Saúde da Família(USF) de Tijuaçu, o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e espaços tradicionais, tais como o Samba de Lata e o terreiro Tupoiaoo, este último localizado na cidade de Senhor do Bonfim.

Os viventes iniciaram sua programação em um encontro com profissionais da equipe de saúde da USF – pioneira na região na implementação da Política Nacional de Saúde da População Negra, neste espaço foi discutido o funcionamento da unidade e como ela atua a partir das características da população local e os principais desafios enfrentados por esses trabalhadores. No muro externo da unidade também foi realizada uma intervenção artística pelo artista convidado Alex Top. O desenho gravado nas paredes foi desenvolvido a partir de sugestões apresentadas pelos membros da comunidade e da equipe e representa a identidade histórica do povo negro deste local.

Acompanhados por Agentes Comunitários de Saúde (ACS), os participantes tiveram contato com a população e suas histórias. Aqueles que visitaram o CRAS tiveram a oportunidade de conhecer o trabalho realizado na assistência social, sua interação com a USF e o seu papel com o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV).

Durante a tarde os viventes foram recebidos pelo ACS e representante da Associação de Terreiros de Senhor do Bomfim, Antônio Alves Sobrinho, no Terreiro Tupoiaoo. A visita também contou com a presença de profissionais da equipe de saúde da família do Bonfim III e proporcionou a compreensão da função do terreiro enquanto potencialidade em saúde no bairro, assim como dos preconceitos sofridos por aqueles que estão inseridos no terreiro.

Ao fim do dia, o encerramento aconteceu com as mulheres da associação de Samba de Lata de Tijuaçu, que após partilharem as raízes culturais de seu trabalho,mostraram danças, cânticos e histórias de seus antepassados.


Postar um comentário :